Archive Page 2

02
Jul
10

Para pensar

A Raquel (11ºB) sugeriu este vídeo. Eu já conhecia, mas muita gente não deve conhecer…para pensar…para pensar como a Vontade faz a diferença e muitos dos sonhos estão ao alcance da nossa Determinação e da nossa Força…

Anúncios
04
Jun
10

De nó na garganta

Não chorei na hora. Tive aquele nó a ameaçar, mas consegui controlar. Não sou de lágrima fácil, fico a sentir lá dentro, mas hoje foi muito difícil. Acabei por não conseguir conter as lágrimas mal saí da sala para atender a encarregada de educação. Por motivos vários, fiquei “presa” a esta turma…conquistaram-me por completo. Muita empatia, muita sintonia. Vontade de aprender e trabalhar. Vontade de se ser maior e melhor. As aulas passavam (para mim a voar); o cansaço desaparecia. Houve sempre tempo para brincar, para rir, para trabalhar. Sei que exigi, mas exigi o que podiam dar e exigi o que dei primeiro. Um conjunto humano muito especial, este 11ºB. Há turmas assim…de vez em quando, num percurso de um professor, aparece uma turma que faz com que tudo valha a pena. Tenho tido a sorte de ter turmas destas com frequência…das que deixam saudades; das que nos marcam. Todos e cada um deles ficou tatuado nos meus dias…ficou uma palavra, um sentir que, para sempre, estarão associados a cada um:
à Adriana, a impetuosidade;
ao Alex, a postura;
à Ana, a ordem;
à Catarina Correia, as perguntas;
à Catarina Oliveira, a distância;
à Cláudia, a força;
ao Daniel Almeida, a inconstância;
ao Daniel Canedo, a imperturbabilidade;
ao Fábio, a serenidade;
à Joana,a curiosidade;
ao João Pedro, a consciência;
ao Quinzé, a frontalidade;
ao Luís, a perspicácia;
à Marta, o equilíbrio;
ao Pedro, a determinação;
à Raquel, a maturidade;
ao Ricardo, a simpatia;
à Sara Pardilhó, a sinceridade;
à Sara Silva, a timidez;
à Sarah, a sensibilidade;
à Susana Tavares, a vivacidade;
à Susana Dias, a inquietação;
à Tânia, a procura.

E assim ficam todos….nem que seja tatuados com estas palavras que deixaram em mim. A todos estes miúdos fabulosos um beijinho do tamanho do mundo. Quis que todo o universo ficasse a saber disto.
Isabel Maia

05
Maio
10

Um apelo…

Recebi um mail de A Pata Vermelha com este apelo. Confesso que costumo ter muito controle emocional, mas isto bateu mesmo fundo. Deu-me vontade de gritar, senti uma enorme necessidade de fazer alguma coisa. Sobretudo, senti vergonha de grande parte daquilo que chamamos seres humanos. Vamos ajudar, por favor…como pudermos…vamos passar a mensagem, vamos dar alguma coisa…vamos AJUDAR!!!

http://amigosdoruas.wordpress.com/

15
Abr
10

A Pata Vermelha

Meus queridos alunos e alunas, criaturas pensantes (de quem gosto muito): parte do dinheiro que vocês deram para A Pata Vermelha já está destinado à esterilazação de duas cadelinhas!!! A partir de agora já são padrinhos e madrinhas destas cadelinhas!!
Segue o link para o blogue!!!
Obrigada!! Um pequeno gesto pode mudar muitas vidas!!!

http://www.patavermelha.com

30
Dez
09

Comentários à máxima da aula

Demorou, demorou…eu sei…mas foi muita coisa para fazer ao mesmo tempo…
Ora…eu tinha começado por “corrigir” os comentários à máxima, mas acabei por pensar e melhor e chegar à conclusão que se colocasse os comentários já “corrigidos” por mim, digamos assim, não seria tão interessante, pois não poderíamos dar aqui as nossas achegas. Lamento não publicar todos os comentários que recebi, mas era necessário escolher mesmo os melhores.
Agradeço a todos os que responderam a este desafio…
Aqui ficam…

A máxima:

Os argumentos são quase sempre, mais verdadeiros do que os factos. A Lógica é o nosso critério de verdade e é nos argumentos e não nos factos que pode haver lógica.” Fernando Pessoa

Os comentários:

(MARTA, 11ºB)
Aquando de uma primeira leitura da máxima apresentada, há algo que não nos soa bem, nomeadamente, o facto de Pessoa afirmar que na maior parte dos casos, os argumentos são mais verdadeiros que os factos e já não prestamos a devida atenção ao que se segue.
Se fizermos uma segunda leitura e pensarmos um pouco a sua primeira afirmação não é algo assim de tão estranho.
A Lógica ajuda-nos a organizar os nossos pensamentos e a estrutura-los, de modo a que consigamos criar argumentos sólidos (válidos e verdadeiro), ou seja, argumentos válidos em que parte de premissas verdadeiras e, como tal, a conclusão derivada é necessariamente verdadeira.
Assim a Lógica é o nosso critério de verdade, como afirma Pessoa, é através da forma como nos ensina a pensar que conseguimos avaliar se o que dizem é verdadeiro ou falso.
A Lógica aplica-se apenas aos argumentos, pois só estes resultam da organização, estruturação dos nossos pensamentos em raciocínios e só nestes eu posso verificar se realmente premissas e conclusão estão relacionadas de forma lógica. Por sua vez, os factos são factos e nada mais, ou seja, não os posso catalogar como verdadeiros ou falsos, nem estes derivam de associações lógicas de pensamentos, logo não pode haver lógica nos factos.
Se quisermos avaliar a veracidade de algo, os factos por si só não nos dizem muito, enquanto que se nos for apresentado um argumento dedutivamente válido, através da veracidade ou falsidade das suas premissas, constatamos se a sua conclusão e verdadeira ou não.
Assim, como a Lógica é o critério de verdade e apenas reside nos argumentos e não nos factos, como já foi explicado, é natural que a “veracidade” seja atribuída aos argumentos.
Desta forma, percebemos o porquê de os argumentos serem mais verdadeiros que os factos, como afirma Pessoa no princípio da máxima.

(SARA PARDILHÓ – 11ºB)
Dos factos, todas as pessoas podem dizer se são verdadeiros ou falsos, sem necessitar de argumentação, pois não há mais maneira de ser. Ou é ou não é. Já com os argumentos não podemos (à primeira vista) dizer se são verdadeiros ou falsos sem apresentar contra-argumentos que se oponham/apoiem ao que é defendido. A lógica preocupa-se com a maneira como as pessoas têm de pensar, ou seja, com a maneira como apresentam os seus argumentos, e não com factos já existentes/provados.
É através da lógica que podemos dizer se os argumentos apresentados pelo orador são validos ou não validos. Através da maneira como ele relaciona as premissas para chegar a uma conclusão (mensagem que pretende que o auditório apoie), apercebemo-nos se está a contradizer-se ou não.
Por isso, a lógica não pode existir nos factos, pois estes já são do conhecimento do auditório (ou pelo menos, de uma boa parte).

(SARAH – 11ºB)
A lógica tem como principal objectivo conduzir-nos a raciocínios válidos com conclusões verdadeiras, sem que ocorram falácias. Quando argumentamos utilizamos argumentos para sustentar os factos através de raciocínios que aparentemente são válidos. Contudo, quando defendemos um facto, utilizamos argumentos verdadeiros com o objectivo de convencer o auditório a aceitar a nossa tese, e no caso de uma lógica informal, essa tese poderá não ser verdadeira. Deste modo podemos constituir uma tese com recurso a argumentos verdadeiros, porém essa tese pode ser uma falácia, a qual justificamos com o uso da lógica no nosso raciocínio. Assim, a lógica nem sempre nos conduz a verdades absolutas e pode servir como recurso para justificar um facto que afinal é falacioso, e que à partida nos parecia verdadeiro, dada à veracidade dos argumentos e da sua correcta disposição no raciocínio lógico.

(TÂNIA – 11ºB)

Se estivermos atentos ao mundo que nos rodeia, chegamos à conclusão de que nada se pode apenas interpretar pelos factos correcto. Por vezes, os argumentos dão-nos uma maior percepção das coisas que realmente acontecem. Daí, os argumentos serem considerados mais verdadeiros que os factos; e, a lógica ser o critério de verdade. Possivelmente, um bom argumento pode ser mais persuasivo do que um facto (por incrível que pareça!).
Do mesmo modo, o raciocínio apenas é possível através de argumentos, nomeadamente da relação que se estabelece entre a(s) premissa(s) e a conclusão. O mesmo não acontece com os factos, pois estes são considerados À PARTIDA indiscutíveis. Por isso, pode dizer-se que só pode haver lógica nos argumentos.

19
Dez
09

Medicamentos prioritários para a Pata Vermelha

Como ficou combinado, aqui deixo a lista de medicamentos prioritários para a Pata Vermelha. O objectivo é arranjarmos o máximo possível…pedirmos a familiares, inspeccionarmos os armários lá de casa e ver o que encontramos. Interessa é que estejam na data. Depois deverão trazê-los para o professor (eu ou outro de Filosofia/Psicologia). Esta campanha de recolha de medicamentos vai decorrer, em princípio, até Maio.

LISTA

AMOXICILINA + ÁCIDO CLAVULÂNICO 500MG – uso humano
ACTIDOX 100 – uso humano
ANAFASE e/ou MAXILASE – uso humano
ALOPURINOL 300MG – uso humano
BACTRIM FORTE – uso humano
BAYTRIL – uso veterinário
CEFADROXIL 1000MG – uso humano
CONOFITE FORTE e/ou OTOMAX – uso veterinário
ENALAPRIL 5 e 20MG – uso humano
FLAGYL – uso humano
FUROSEMIDA 40MG – uso humano
ITRACONAZOL 100MG – uso human
IVOMEC – uso veterinário
NEUROBION – uso humano
OTOCLEAN – uso veterinário
OMNIMATRIX POMADA – uso veterinário
OMNICONDRO – uso veterinário
OMNICUTIS – uso veterinário
RIMADYL – uso veterinário
RILEXINE – uso veterinário
RILEXINE 300MG – uso veterinário
TIACIL VET COLÍRIO – uso veterinário

Colírios de uso HUMANO:

ATROPOCIL, CLOROCIL, CONJUNTILONE, GENTOCIL, TOBREX

Desparasitantes internos e externos para cão e gato:

PIPETAS ADVANTAGE, ADVANTIX, FRONTLINE COMBO, ADVOCATE, SPRAYS, COLEIRAS SCALIBOR E PREVENTIC, FLUBENOL, STRONGID CÃES E GATOS, CANIQUANTEL ADULTO E GATINHOS, MILBEMAX ADULTO E GATINHOS, ZIPYRAN PLUS.

22
Nov
09

Nós e os Outros

Umas ex-alunas minhas (sempre “minhas alunas” na mesma!!) inauguraram um blogue no âmbito do trabalho da Área de Projecto sobre a Deficiência. Acho que vale mesmo a pena espreitar. É um grande esforço de sensibilização que estão a fazer numa sociedade “apressada” que não tem tempo para quem dele precisa.
Parabéns às meninas pelo projecto!!
Fica aqui o link
http://nos_e_os_outros.blogs.sapo.pt/3542.html